Saúde e Energia

Recentemente em viagem ao Canadá, tive oportunidade de assistir a abertura do Festival de Verão (Festival d’Etê) na cidade de Quebec, que é a capital da província de Quebec, onde o idioma é o Francês, e é claro tem o charme e a beleza de uma vila Francesa.
 
Dentre muitas atividades, assisti um show de musica de uma banda local, apresentando hits de Rock e musica Pop dos anos 60/70/80/90 e de hoje, em praça pública.
 
Observei as pessoas presentes, de todas as idades, desde crianças, adolescentes, jovens e adultos, cantando e dançando ao som. Alguns nitidamente eram adolescentes ou jovens na ocasião do lançamento das musicas que estavam sendo tocadas.
 
Em determinado momento surgiu ao meu lado uma “senhorinha”, que não me arrisco a dizer a sua idade, pois poderia errar para cima ou para baixo em muito ou em pouco. Uma mulher miúda de estatura baixa, mas dançava e pulava como qualquer jovem que estivesse ao seu lado. Fiquei observando a sua desenvoltura, e assim como surgiu, sumiu novamente na multidão.
 
Existem pessoas que encaram a vida como um fardo pesado, que lhes sobrecarrega a coluna que enverga, ou tem o semblante amargo e triste.
Outras encaram a vida com leveza, aproveitando cada gota como uma dádiva do momento, sorrindo e encarando de frente todas as dificuldades, porque é inútil pensar ou dizer que só existem alegrias no nosso caminho.
Manter–se com vitalidades e alegria apesar dos dissabores é manter a vida em alta.
 
“Faça a sua parte, se doe sem medo.O que importa mesmo é o que você é…Mesmo que outras pessoas não se importem.Atitudes simples podem melhorar sua vida.” Mahatma Gandhi 
 
Natalia Marques Antunes – Psicóloga Clínica, Consultoraem Saúde Organizacionalcom Formação em Coaching (Life Self – Sistema ISOR)



O seu navegador não é recomendado para uma boa navegação neste site.
Para uma melhor visualização do site atualize-o ou escolha outro navegador.
Saiba mais...
Google ChromeMozilla FirefoxApple SafariOpera